Atualmente, existem mais de 2 milhões de caminhoneiros atuantes no Brasil que transportam o equivalente a 200 milhões de toneladas por ano. Por isso, a profissão caminhoneiro é fundamental para a economia do país. Pois, é por meio de caminhões de carga que nossas roupas, celulares, comida, móveis, etc. chegam até nós com rapidez.

Apesar de toda a dificuldade que eles encontram em sua rotina pesada de trabalho, os caminhoneiros são, via de regra, apaixonados pelo que fazem, pela liberdade de cruzar o país e de conhecer novos lugares e pessoas.

Neste post, vamos falar sobre esses profissionais do volante, fornecendo um breve guia da profissão caminhoneiro. Abordaremos quais são os maiores desafios encontrados, a situação do mercado de transporte no país, a rotina do profissional e, por fim, como vencer na profissão. Acompanhe conosco!

Os maiores desafios encontrados

1. Falta de segurança nas estradas

O risco de assaltos é algo que realmente tira o sono dos caminhoneiros. A violência nas estradas têm aumentado muito nos últimos anos, chegando ao ponto de o Brasil ser considerado o 8º país do mundo com as rodovias mais perigosas, de acordo com a LCC, Cargo Watchlist.

Empresas de menor porte e profissionais autônomos também estão na mira de assaltantes, já que muitos não contam com os mesmos recursos de segurança que as transportadoras maiores — algumas trabalham, inclusive, com escolta armada.

Para minimizar o risco de assalto é preciso evitar estacionar em lugares isolados ou inadequados para paradas, além de ter atenção redobrada nos quebra-molas e obstáculos na pista — momentos em que assaltantes aproveitam a redução da velocidade para agir.

Além disso, a má condição na infraestrutura e manutenção das BRs também ocasiona grandes riscos de acidentes. Muitas rodovias brasileiras, incluindo aquelas com pedágio, encontram-se em péssimas condições. Apesar das melhorias significativas com a privatização de muitas, a situação ainda é crítica e está longe de ser a ideal.

Desviar de buracos e transitar em trechos mal sinalizados são apenas alguns dos desafios de quem ganha a vida nas estradas.

2. Tempo longe da família

Alguns profissionais lidam melhor com essa situação do que outros. O fato é que caminhoneiros passam a vida, praticamente inteira, nas estradas.

Em viagens longas, eles perdem muitos momentos familiares — como festinhas de aniversário, o nascimento de um filho, ou, até mesmo, o sepultamento de um ente querido que venha a falecer.

Por isso, para muitos deles, essas viagens podem ser bastante solitárias.

3. Rotina corrida e estressante

Cumprir horários estipulados de entrega pode ser um grande desafio em algumas viagens, visto que imprevistos sempre ocorrem no dia a dia do profissional das estradas.

Por isso, trata-se de uma rotina bastante corrida e estressante. O que pode levar a consequências negativas para a saúde dos caminhoneiros, uma vez que há complicações tanto psicológicas quanto físicas decorrentes do stress.

4. Má alimentação e sono precário

O caminhoneiro no Brasil têm também que lidar com uma série de desconfortos — dormem nas boleias dos caminhões, alimentam-se mal, precisam cumprir hora na estrada, entre outros —, o fato é que tanto à qualidade quanto à regularidade das refeições caminham lado a lado com os perigos das estradas, conforme citamos anteriormente.

Outro ponto que merece destaque é a baixa qualidade de sono dos motoristas, já que enfrentar longas jornadas de trabalho fazem com que muitos troquem o dia pela noite e utilizem medicações para se manterem acordados.

5. Risco de doenças cardíacas

Muitos caminhoneiros sofrem com doenças cardiovasculares como resultado de uma rotina sem exercícios físicos, da má alimentação e do uso do cigarro. Pela correria da rotina desses profissionais, levar uma vida regrada torna-se ainda mais difícil, por isso acabam entrando em grupos de risco das doenças do coração.

Claro que tudo isso pode ser contornado pelo bom profissional, que se importa tanto com a qualidade do serviço prestado quanto com o próprio bem-estar físico e mental.

6. Incidência de lombalgia

Lombalgia é o nome dado às dores na região lombar. O desconforto nessa região costuma ser ocasionado pela má postura corporal. Entre os condutores de caminhões, esse problema é recorrente, atingindo até 18% dos caminhoneiros brasileiros.  E isso se deve ao fato de suas rotinas serem pesadas, passando por longas horas atrás do volante com a postura incorreta.

Quando não tratada, a lombalgia pode, até mesmo, ocasionar o afastamento do trabalho e, em casos mais graves, comprometer a mobilidade da pessoa. O caminhoneiro passa muitas horas sentado na mesma posição e isso afeta áreas específicas de sua coluna, forçando-as durante o trajeto.

A postura correta é manter-se sempre em um ângulo de noventa graus no banco do motorista, estando com as costas totalmente retas e apoiadas no encosto. Os bancos também precisam ser ergonômicos e confortáveis. Um banco em mau estado pode comprometer — e muito — a saúde do caminhoneiro. Trata-se de um item de segurança de grande importância para a saúde do motorista e deve estar sempre em condições adequadas. Não deve-se esquecer de utilizar, também, o cinto de segurança.

A situação do mercado de transporte no Brasil

O setor de transportes sofreu um impacto considerável devido à crise econômica nos últimos anos. A Confederação Nacional do Transporte (CNT) realizou um estudo intitulado Sondagem Expectativas Econômicas do Trabalhador, em 2016, que atestou diminuição da receita bruta das empresas e, consequentemente, significativa redução do número de viagens, em torno de 58,8%.

Mas, felizmente, o mesmo estudo apontou perspectivas positivas para o setor de transportes nos anos subsequentes, apontando, inclusive, boas previsões de crescimento para 2018. De acordo com a Sondagem, há maior participação de empresas estrangeiras com investimentos no mercado brasileiro por conta das concessões fiscais concedidas pelo governo para aquecer o setor.

Dessa forma, a CNT trabalha para atrair cada vez mais investidores estrangeiros, especialmente alemães e chineses, para as obras de infraestrutura de transporte no país. O transporte rodoviário é o setor que conta com maior distribuição em toda a extensão do território brasileiro se comparado com o ferroviário e o hidroviário.

A malha rodoviária do Brasil cresceu muito e, segundo a pesquisa, já alcançou a extensão de 210.618,8 quilômetros. Entretanto, as péssimas condições das vias afetam negativamente os custos dos fretes no país, que chegam a ser 55% mais caros se os compararmos com outros países.

Para solucionar esse impasse, o Ministério dos Transportes investiu R$ 6,3 bilhões em obras públicas de melhoria da infraestrutura das estradas, entretanto o CNT estipula que sejam necessários mais de R$ 400 bilhões para promover, efetivamente, as melhorias necessárias que resolveriam a situação.

Como empreender nessa área

Há grande oferta de cargas em todo o Brasil, entretanto, esse mercado ainda carece de mão de obra qualificada. Como veremos mais adiante, tem vários tipos de carrocerias destinadas a cada tipo de carga específica (como cargas vivas, tóxicas ou perigosas, conteúdos líquidos, entre outras).

O equipamento adequado para cada trabalho, bem como certificados para o transporte de alguns tipos de cargas, são exigidos pelas empresas e, muitas vezes, desconhecidos pelos profissionais. No entanto, mesmo em meio à crise e à escassez de recursos para investimento, muitos caminhoneiros estão empreendendo e administrando muito bem o seu próprio negócio — afinal, eles se tornam os seus próprios patrões e têm, por isso, que usar a criatividade para driblar as crises financeiras. Por isso, os estudos são cada vez mais presentes no cotidiano desses profissionais.

Gerir um negócio próprio estando longe de um escritório, dentro de uma cabine de caminhão, não deixa de ser um grande desafio. Mas, para isso, a tecnologia ajuda disponibilizando, em um só dispositivo, acesso à agenda (que deve destacar os compromissos firmados, o vencimento de contas, etc.), calculadora, bloco de notas, serviços de mensagens por e-mail, apps para organização financeira e fretes, entre outros recursos. Essas ferramentas possibilitam que toda a organização e o planejamento do negócio sejam feitos na própria estrada.

Planejamento e organização estratégica são itens vitais para o sucesso do caminhoneiro, que precisa sempre articular preço e custo. Por exemplo, para calcular o valor a ser cobrado pelo frete, não basta levar em conta apenas o preço da carga e a distância. Será preciso considerar os custos com manutenção, calculando o desgaste do veículo, além do combustível. Esse planejamento operacional fará toda a diferença na lucratividade do negócio.

A rotina de um caminhoneiro

Muitos caminhoneiros passam meses na estrada. Alguns percorrem trechos além das fronteiras brasileiras, atuando em toda a América Latina. Percorrem milhares de quilômetros, ficam longe de casa por grandes períodos e, ainda assim, precisam sempre ponderar a viabilidade da viagem de volta. É comum os profissionais passarem dias parados após a descarga do caminhão, à espera de um novo frete para o seu retorno.

Isso ocorre porque viagens de centenas de quilômetros para a casa também precisam pagar a conta. Por isso, daremos algumas dicas para que esse profissional tenha a melhor qualidade de vida possível, mediante todas essas dificuldades enfrentadas.

1. Faça viagens planejadas

Como mencionamos, é importante verificar previamente a disponibilidade de cargas para o retorno da viagem. Além disso, convém usar serviços de GPS para chegar aos destinos sem complicações em locais de carregamento e entrega do frete. Outro detalhe é a combinação prévia do pagamento com o contratante. O preço do serviço deve ser pensado levando em consideração os custos da viagem, conforme mencionamos neste artigo.

2. Use a tecnologia a seu favor para conseguir fretes

Agora não é preciso depender de agenciadores e intermediários que ficavam sempre com boa parte do pagamento. É possível usar aplicativos para fazer pesquisas de cargas em sites especializados de qualquer lugar do Brasil. Há muitos apps e sites gratuitos para essa finalidade, por isso não há motivos para você não aproveitar essa ferramenta. 

3. Evite pegar estrada à noite se estiver cansado

Se não tiver outro jeito, havendo a necessidade de pegar estrada à noite, faça isso com atenção redobrada. Não se aconselha viajar nesse horário quando se está cansado, por motivo elementar: a escuridão propicia a sonolência, uma das maiores vilãs da direção nas estradas.

No ritmo estressante do cumprimento de prazos apertados, muitos acabam dirigindo horas a fio sem descanso. Não faça isso, use os pontos de controle para tirar uma breve soneca e recarregar também as suas energias.

Outro hábito que propicia a sonolência é comer muito antes de pegar a estrada. Isso ocorre pelo aumento da concentração sanguínea na região do estômago e, consequentemente, a redução no cérebro.

4. Esteja sempre atento à manutenção do caminhão

Nesse ponto, é preciso ponderar sobre a importância da manutenção preventiva do veículo. Esse tipo de ação sairá, em média, 30% mais barato do que realizar apenas as manutenções corretivas nos momentos em que o caminhão apresentar algum defeito. Sem falar no fato de que você poderá rodar com maior segurança e terá menos imprevistos.

Ganhos em desempenho e na valorização do veículo são algumas das  outras vantagens em se realizar manutenções preventivas. Sem falar que, com esse cuidado, você evitará desgaste nas peças, tendo como resultado o menor consumo de combustível. O ideal é que se faça vistorias ao final de todas as suas viagens, dando uma atenção especial ao estado de conservação dos pneus, parte elétrica, freios e itens de segurança. 

O óleo do motor, a correia e os filtros podem ser trocados conforme as indicações do manual do proprietário. Revisões mais completas também não podem ser deixadas de lado. Aproveite as paradas para deixar tudo isso em dia!

5. Tente diminuir custos

Economize com combustível sem abrir mão da qualidade do produto. Por isso, pesquise sobre postos que vendam combustível de qualidade  que não danificará seu veículo , com um preço convidativo.

Esse ponto é importante para otimizar seus ganhos nos fretes, sendo assim, não deixe de tomar esses cuidados:

  • use ferramentas de navegação para saber sempre as melhores rotas, tendo em vista a economia de combustível;
  • troque o óleo do motor regularmente para otimizar o consumo;
  • utilize o óleo lubrificante adequado para o seu motor;
  • faça um planejamento antecipado de rotas, levando em consideração os pontos de reabastecimento;
  • confira a tensão das correias regularmente;
  • considere equipar seu caminhão, caso ele seja cara chata, tenha uma boa carenagem para teto, que melhora a aerodinâmica do veículo e, consequentemente, diminui o consumo.

6. Seja um profissional atualizado

Como vimos, tecnologias embarcadas, GPS e diversos recursos eletrônicos facilitam a vida do caminhoneiro. No entanto, é preciso saber utilizar os eletrônicos, já que são inovações que colocam o profissional em vantagem competitiva em um mercado concorrido.

Esses recursos agregam eficiência e confiabilidade no serviço prestado. Dispositivos de rastreamento e monitoramento, por exemplo, garantem maior segurança tanto para o caminhoneiro quanto para o contratante, que pode acompanhar o status da entrega. Portanto, se faz necessário a necessidade de o profissional estar familiarizado com a tecnologia atual.

Mas não apenas isso, é preciso ter também um preparo educacional. Portanto, faça cursos livres na sua área, invista em boas leituras sobre tecnologia e sempre busque ferramentas que facilitem a gestão do seu próprio trabalho, há boas opções para ampliar seus conhecimentos sobre segurança no trânsito, por exemplo.

No mais, troque informações com seus amigos caminhoneiros e esteja sempre informado sobre as condições de tráfego nas estradas.

Vencer na profissão caminhoneiro

Por onde começar

Antes, vamos a alguns pré-requisitos para o caso de você estar considerando a profissão caminhoneiro, mas não ter conhecimento sobre o que precisa fazer para iniciar na carreira.

Decidir-se pelo tipo de veículo e carroceria, além de tirar a habilitação especial para esse tipo de carga e tamanho de caminhão, são os primeiros passos para o caminhoneiro iniciante.

As habilitações C e E são os requisitos para embarcar nessa carreira. Sendo a C para veículos pesados e transporte de cargas e a E para o trabalho com veículos com mais de uma unidade tracionada. Há também a Agência Nacional de Transporte Terrestre, a ANTT, na qual, todo caminhoneiro deve cadastrar o caminhão para poder rodar nas estradas.

Cargas especiais

Alguns tipos de carga, por lei, exigirão do profissional certificações em cursos especiais. Para transporte de cargas classificadas como “Produtos Perigosos”, o que inclui combustíveis, líquidos inflamáveis, produtos químicos, entre outros, é necessário o certificado MOPP ou Movimentação Operacional de Produtos Perigosos.

Para conseguir esse e outros certificados, o condutor pode procurar alguma autoescola especializada. Estar devidamente regulamentado e contar com equipamentos adequados para cada trabalho é um passo fundamental para o sucesso nessa profissão.

Assim, para ganhar bem sendo caminhoneiro, o profissional precisa decidir sobre o modo de trabalho que melhor se encaixe às suas necessidades. Tudo dependerá dos valores das cargas transportadas, se o trabalho é feito com veículo próprio ou de alguma empresa, entre outros pormenores. Vejamos a seguir.

O profissional autônomo

Sendo autônomo, é preciso ter ganhos que paguem as despesas do veículo e que possibilitem prover boa qualidade de vida para o profissional e sua família. Somente dessa forma é possível se manter na profissão. O caminhoneiro autônomo é responsável pelo gerenciamento de um negócio: é ele que precisa conseguir trabalho, executá-lo, e administrar as finanças, despesas e faturamentos.

A primeira coisa nesse caso seria explorar ao máximo as possibilidades do próprio caminhão, usando os recursos disponíveis para pegar todos os tipos de cargas que o equipamento permite.

Por isso, diversificar os serviços pode ser uma boa estratégia para ampliar os ganhos. Caminhões baú são exemplos disso, eles podem ser usados tanto para transporte de cargas quanto para mudanças. Graneleiros também podem fazer o transporte de produtos, como materiais de construção e peças de maquinário, por exemplo.

Contratado ou agregado em uma empresa

É possível também agregar o caminhão a uma transportadora. Dessa forma, pode-se ter maior estabilidade e, em alguns casos, pode ser um formato bem vantajoso para o caminhoneiro autônomo.

Ter garantia de ofertas de serviços é uma dessas vantagens. A transportadora, como qualquer outro negócio, tem o objetivo de cortar custos, por isso agrega somente a quantidade necessária de caminhões para dar conta de sua demanda. Dessa forma, ela garante a regularidade da oferta de trabalho para o caminhoneiro.

Essa é uma boa pedida para quem deseja ficar de fora da disputa por ofertas com outros profissionais. Tornando-se um agregado, é possível passar imune às oscilações do mercado. Dessa maneira, o motorista passa a ter carga horária e rendimentos fixos, o que para alguns é vantajoso e para outros pode não ser. A despeito disso, muitos caminhoneiros agregados pegam trabalhos extras como autônomos para complementar a renda.

Vale ressaltar que algumas empresas têm restrições no que se refere à idade do caminhão agregado, bem como exigem determinados cursos de especialização do profissional. Sem falar na exigência da regulamentação padrão do veículo e do condutor. 

Cargas perigosas pedem mão de obra qualificada

Outra forma de ganhar bem como caminhoneiro é transportar cargas perigosas. Esses trabalhos têm maior valor agregado e, por isso, possibilitam margens de lucro maiores. Isso por se tratar de um serviço de complexidade e que oferece riscos à saúde e ao meio ambiente, demandando, assim, maior responsabilidade do profissional.

Tendo em vista os riscos mencionados nesse tipo de trabalho, para prestá-lo é preciso cumprir às exigências da ANTT em relação ao curso exigido, às especificações e cuidados especiais com veículo. É preciso realizar periodicamente a descontaminação do caminhão e a limpeza, além de carregar avisos e itens de sinalização. Ter os devidos equipamentos de emergência, de acordo com os riscos de cada carga, é pré-requisito. 

Como se vê, apesar das dificuldades e da pouca valorização desse profissional de fundamental importância, existem muitos atrativos na profissão caminhoneiro. Não tenha dúvidas de que esse é um campo que oferece possibilidade de bons lucros, além de uma boa oferta de trabalho, seja como contratado ou como autônomo.

Tendo os devidos cuidados com a saúde, não aceitando jornadas de trabalho além do bom senso e sabendo gerenciar o próprio negócio, é possível fazer a paixão por caminhões se tornar um meio de vida que proporcione boas perspectivas profissionais para o trabalhador e sua família.  

E você, leitor, entendeu como a profissão caminhoneiro pode ser um caminho promissor? Tem interesse em ingressar nesse ramo? Então compartilhe em suas redes sociais esse conteúdo, dessa forma seus amigos também saberão tudo sobre essa fantástica profissão. Até a próxima!