Se você trabalha com o transporte de cargas, sabe que é uma verdadeira tentação investir no excesso de peso em caminhões. Embora seja ilegal, muitos gestores de frota se sentem atraídos pela possibilidade de reduzir os custos e transportar cada vez mais mercadorias de uma só vez.

Caso essa seja sua situação, é importante compreender que essa nunca é a melhor opção. O excesso de carga pode tornar seus trajetos ainda mais perigosos e, por isso, deve ser evitado a todo custo. Pensando nesse importante tema, preparamos este post mostrando os problemas relacionados a essa prática e por que não adotá-la. Confira!

Danifica e compromete a mecânica do caminhão

Carregar grandes quantidades de peso pode ser péssimo para a própria mecânica do caminhão. Pense que essa é uma maneira de sugar ainda mais forças do seu veículo, pois ele precisa se desgastar bastante para sair da inércia e transportar toda aquela carga.

Um exemplo é o desgaste prematuro dos pneus. Quem trabalha com excesso de peso em caminhões precisa trocá-los mais cedo, já que esses componentes sofrem mais com o deslocamento.

Esse é só um dos exemplos, pois a atitude também acarreta prejuízos aos sistemas de transmissões e freios, aumentando, consideravelmente, a necessidade de troca.

Como você deve imaginar, todo esse desgaste traz gastos ainda maiores com manutenção — o que pode representar uma queda considerável nos rendimentos do seu negócio.

E não é só isso: o fato de o caminhão ficar irregular também pode representar um risco ainda maior para o motorista e outros veículos. Quando em movimento, o caminhão poderá não responder com toda a agilidade esperada, aumentando a possibilidade de que acidentes muito graves ocorram.

Coloca o caminhão em situação de irregularidade

O Brasil conta com uma regularização para o transporte de carga. Isso significa que o excesso de peso é considerado uma infração, prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

O próprio Conselho Nacional de Trânsito (Contran) já publicou uma resolução especificando que a tolerância de carga pode chegar a, no máximo, 5% do limite de peso bruto total (PBT). Somente dentro desse limite o caminhão pode passar pelos equipamentos de pesagem (balança rodoviária) sem nenhum tipo de multa ou penalização.

A infração é punida com multa no valor de até R$ 130,16 e retenção do veículo para o transbordo da carga excedente. Além desse valor, podem ser acrescidos à multa valores progressivos para cada 200 kg de peso acima do permitido, conforme listamos abaixo:

  • até 600 kg — R$ 5,32;

  • de 601 kg até 800 kg — R$ 10,64;

  • de 801 kg até 1.000 kg — R$ 21,64;

  • de 1.001 kg até 3.000 kg — R$ 31,92;

  • de 3.001 kg até 5.000 kg — R$ 42,56;

  • 5.000 kg ou mais — R$ 53,20.

Quando essa verificação não é possível ― já que sabemos que um grande problema do Brasil é justamente a fiscalização ―, a avaliação é feita por meio de análise do documento fiscal e acompanhamento. Se o peso estiver dentro da tolerância, o transporte pode prosseguir.

Entretanto, vale lembrar que não é só isso. O peso deve estar bem distribuído e não pode penalizar apenas um dos dois eixos. Esse caso também pode significar multa, pois a parcela de peso passa do limite aceito sobre o eixo. É fundamental que a carga seja redistribuída antes de pegar a estrada.

Então, é bom ficar de olho e entender que o excesso de peso em caminhões pode simbolizar perda de lucro e até mesmo suspensão da carteira de alguns motoristas.

Aumenta o risco de acidentes graves

Com a mecânica do caminhão e o seu desempenho comprometidos pelo excesso de peso, em uma situação em que seja necessário acionar os freios para uma resposta rápida, o caminhão não responderá no tempo necessário. Isso, infelizmente, causa muitos acidentes com vítimas fatais nas rodovias de todo o Brasil.

Portanto, além de colocar a vida de outros motoristas em risco, um acidente causado pelo excesso de peso exige indenizações que não serão ressarcidas, o que muitas vezes pode significar um desequilíbrio financeiro irreversível para as transportadoras.

Cria um ambiente propenso ao tombamento

tombamento de um caminhão é um dos maiores temores de quem trabalha com transporte de cargas. Além de representar perda de toda a carga e gasto com reboque e destombamento, o caminhão, ao tombar, coloca a vida de pessoas em risco.

Tenha em vista que o simples fato de outros motoristas tentarem desviar do caminhão tombado pode ocasionar outros acidentes tão graves quanto. E caso comprovada a situação de sobrecarga no caminhão, o transportador deverá arcar com pesadas multas e punições.

Muitos caminhoneiros ainda poderão argumentar que basta ter prudência na condução do caminhão. No entanto, imagine como pode ser bem mais difícil fazer curvas fechadas ou manobras delicadas com um veículo tão grande e em condição de sobrecarga em seus eixos? São motivos de sobra para ser mais prudente, concorda?

Para não ter que lidar com todo esse desconforto, é fundamental ficar atento ao limite de peso e à distribuição correta da carga. Essa é a melhor maneira de lidar com a situação!

Promove desgaste das rodovias

Se você já trafegou em rodovias com alto fluxo de caminhões, basta se dirigir para a pista destinada à circulação desse tipo de veículo e perceber como elas são consideravelmente piores. Isso acontece porque o excesso de peso em caminhões desgasta a rodovia, aumentando os buracos e dificultando o tráfego de todas as outras pessoas.

Quem tem um carro convencional sente ainda mais os impactos disso, o que é péssimo. Pense que os buracos provocados devido a essas ocorrências aumentam a necessidade de manutenção nos veículos, demandando reparo nos pneus, constante alinhamento e balanceamento, entre outros tipos de manutenção ainda mais dispendiosas.

Ainda sob o ponto de vista da vida em coletividade, você não pode se esquecer dos gastos do Governo destinados à manutenção das estradas e rodovias. Essas obras são financiadas via impostos, ou seja, vêm de recursos pertencentes a toda a sociedade.

Contribui para a piora do trânsito

Ao comprometer a performance do caminhão, o excesso de carga acaba por tornar as viagens mais lentas, o que, além de ser ruim para o tempo das entregas, piora consideravelmente o trânsito nas rodovias.

Esse problema se torna ainda mais grave ao lembrarmos que grande parte das rodovias no país ainda é de pista simples, sendo pouco seguras para ultrapassagens. Muitas vezes, o excesso de peso em caminhões cria filas que podem se estender por quilômetros, impedindo que outros veículos desenvolvam maior velocidade.

Isso, somado ao medo de causar acidentes e ao cuidado para evitar buracos, faz com que não só o motorista do caminhão seja prejudicado como também toda a sua categoria de transportadores de carga e as demais pessoas que transitam pelas rodovias.

Interfere na performance do caminhão

Engana-se quem pensa que essa situação atrapalha apenas a vida dos outros. O excesso de carga também dificulta o trajeto do próprio motorista.

Como dissemos acima, considere que um caminhão muito pesado não consegue responder com a mesma agilidade que no seu peso normal, o que acaba interferindo na capacidade de resposta que ele tem. Quando o caminhão precisar frear, por exemplo, é natural que gaste mais tempo que um veículo mais leve.

Quem anda na pesagem permitida consegue fazer com que o caminhão trafegue com mais velocidade, tenha um melhor desempenho na viagem e até mesmo consiga entregar a carga em um tempo menor.

Aumenta o gasto com combustível

Outro ponto diretamente influenciado é o gasto com combustível. Com o excesso de peso, o caminhão precisa de muito mais força para se movimentar. Com isso, ele também gasta ainda mais combustível para desenvolver melhor.

Isso se deve ao fato de que o veículo vai precisar manter rotações maiores para movimentar o excesso de peso. Esse consumo é ainda mais acentuado em trechos com subidas, trânsito lento e curvas. Ao pensar que isso acontecerá em várias viagens, a margem de lucro do negócio certamente sairá reduzida.

Quem trabalha com frete sabe que um dos maiores gastos nos cálculos é com combustível. No momento econômico em que vivemos, com combustíveis cada vez mais caros e sem perspectiva de redução nos preços, fica claro que esse é um fator que merece atenção especial.

Contribui para a poluição do ar

O excesso de peso também é um fator que contribui para o aumento da emissão de gases poluentes. Com o motor trabalhando em níveis mais altos de esforço mecânico, os filtros de ar e exaustão não serão tão eficientes na filtragem de poluentes e terão suas vidas úteis reduzidas. Como consequência, isso exigirá trocas mais frequentes desses componentes do veículo.

Nada mais natural, já que o veículo consome mais combustível — que gera uma maior queima e piora as condições dos gases emitidos. Por essas e outras, o mais indicado é controlar a quantidade de carga e, assim, preservar o meio ambiente.

Embora esse possa parecer um problema superficial, a poluição gerada pela queima de combustíveis têm influência direta na saúde do caminhoneiro, bem como na qualidade do seu trabalho e da expectativa de vida.

Fica em desacordo com a “lei da balança”

“Lei da balança” é o termo genericamente empregado para falar das leis, resoluções e portarias que regulamentam os limites de carga em caminhões.

Praticamente todo motorista que trabalha com o transporte de cargas já foi advertido ou multado pelo excesso de carga. Em muitos casos, há discordância quanto às interpretações do excesso de peso.

Isso geralmente se dá pela falta de esclarecimento na divisão do peso por eixo. Na verdade, essa divisão funciona como forma de reduzir o impacto do peso em um ponto do veículo, diminuindo o desgaste do veículo e o impacto da carga no solo.

Para começar, vamos falar dos critérios para aplicação da lei. Em primeiro lugar, você deve ter em mente que a lei é aplicada somente para as cargas divisíveis, que são aquelas que podem ser fracionadas em mais de um veículo.

Em segundo lugar, a lei é aplicada com base no peso dividido por eixo. No caso do peso bruto total, a tolerância é de 5% de excesso de peso. Já na verificação por eixo, essa tolerância é de 10%.

É preciso saber quais são os tipos de eixo com os quais se trabalha e quais os limites para cada caso. Então, vamos lá.

Existem 3 tipos diferentes de eixos que podem ser aplicados no transporte de cargas em caminhões. Vejamos cada um, com seus limites e suas especificidades.

Dentro dos eixos simples, temos:

  • rodagem singela (2 pneus), com limite de peso para transporte de 6 toneladas;

  • rodagem dupla (4 pneus), com limite de 10 toneladas.

No caso dos eixos duplos, temos:

  • eixo direcional com rodagem singela (4 pneus) 1,20 > d* > = 2,40 m, com limite de 12 toneladas;

  • eixo com rodagem singela (4 pneus extralargos), com limite de 17 toneladas;

  • eixo um com rodagem dupla (6 pneus) d* < = a 1,20 m, com limite de 9 toneladas;

  • eixo um com rodagem dupla (6 pneus) tandem 1,20 < d* < = 2,40 m, com limite de 13,5 toneladas;

  • eixo com rodagem dupla (8 pneus) não tandem 1,20 < d* < = 2,40 m, com limite de 15 toneladas;

  • eixo com rodagem dupla (8 pneus) tandem 1,20 < d* < = 2,40 m, com limite de 17 toneladas;

  • eixo com rodagem dupla (8 pneus) tandem d* > 2,40 m, com limite de 20 toneladas.

Já para os eixos triplos, temos:

  • eixo triplo com rodagens duplas (12 pneus) tandem 1,20 < d* < = 2,40 m, com limite de 25,5 toneladas;

  • eixo triplo, sendo uma rodagem singela e duas duplas (12 pneus), em tandem, com o primeiro eixo a mais de 2,40 m de distância, com limite de 27 toneladas;

  • eixo triplo com rodagens duplas (12 pneus) tandem d* > 2,40 m, com limite de 30 toneladas.

(*d = diâmetro)

Com essas informações, você já pode administrar a distribuição de carga no transporte de maneira adequada. Assim, você evita as multas e proporciona melhores condições de trabalho para os motoristas.

Depois de entender todos os problemas que o excesso de peso em caminhões pode trazer, não deixe de repensar essa atitude. Cuide da sua carga, do seu caminhão, do motorista e das outras pessoas no trânsito: trafegue com a quantidade permitida!

Para acompanhar essas e outras dicas sobre a vida do caminhoneiro, não deixe de assinar a nossa newsletter. Assim, você não perde nada e recebe tudo diretamente no seu e-mail!