Com o orçamento apertado, é normal surgir diversos questionamentos sobre os gastos que mais impactam no bolso. Quem é caminhoneiro já deve ter se perguntado: como é calculado o valor do IPVA? O que influencia nesse cálculo? Qual é a importância de manter os pagamentos em dia?

Se você também tem essa curiosidade, está no lugar certo. Além de aprender como é feito o cálculo desse imposto, descobrirá qual é o destino do dinheiro arrecadado e como se preparar para não ficar apertado sempre que for pagar esse tributo. Ficou curioso? Logo abaixo, estão todas as informações de que precisa!

O que é IPVA?

IPVA é a sigla para Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores. Sendo assim, quem é proprietário de moto, carro, picape, ônibus, caminhão ou qualquer outro veículo automotor precisa ficar atento a esse imposto, saber como ele é calculado e quando deverá ser pago.

Os veículos que escapam do IPVA são as embarcações e as aeronaves. Outros que podem ficar de fora da cobrança do imposto são os veículos mais antigos. Porém, a isenção varia de um estado para o outro. Por fim, reboques e semirreboques também são isentos, pois não são automotores.

Outra confusão que muita gente faz é achar que o dinheiro arrecadado pelo governo com o pagamento do IPVA deve ser usado para a construção e manutenção de estradas e demais infraestruturas de trânsito. A verdade é que o IPVA é um imposto e, como tal, não possui destinação específica.

Sendo assim, o governo pode dar aos recursos arrecadados a destinação que acreditar ser a mais conveniente. Atualmente, metade do valor vai para o estado onde o veículo está emplacado. A outra metade é repassada aos cofres do município.

Como é calculado o valor do IPVA?

Saber como calcular o IPVA não é uma tarefa difícil. A primeira coisa que você precisa saber é que a base de cálculo desse imposto é o valor venal do veículo. Normalmente, os estados consultam uma tabela, como a Fipe ou a Molicar, no mês anterior ao da emissão das guias de pagamento. Caso o veículo seja 0 km, a base de cálculo é o valor da nota fiscal.

Com base nesse valor, é aplicada uma alíquota. Esse percentual varia de um estado para o outro. Além disso, também pode haver diferença nas alíquotas das diferentes categorias de veículos.

No caso dos caminhões, a alíquota varia entre 1% e 1,5%, dependendo do estado onde está emplacado. Para ficar mais fácil de entender, veja um exemplo. Suponha que você possui um caminhão de valor venal de 120 mil reais e está emplacado no estado de São Paulo.

Como em SP a alíquota do IPVA para caminhões é de 1,5%, o imposto desse caminhão será de:

(120.000 x 1,5) / 100 = 1.800 reais.

Por outro lado, se esse mesmo caminhão estivesse emplacado em Minas Gerais, onde a alíquota para caminhões é de 1%, o cálculo seria este:

(120.000 x 1,0) / 100 = 1.200 reais.

Perceba que o ano do veículo não influencia, mas sim o seu valor de mercado e o local de licenciamento — a não ser que ele seja antigo o suficiente para entrar na isenção por idade.

Quais são os prazos de pagamento do IPVA?

Assim como as alíquotas, os prazos para pagamento do IPVA são determinados pelos estados. Porém, o vencimento da 1ª parcela ou cota única costuma ocorrer em janeiro. Normalmente, o dia a ser pago é definido em uma escala, de acordo com o algarismo final da placa.

Em Minas Gerais, por exemplo, o calendário de vencimentos da 1ª parcela (ou cota única) e das 2ª e 3ª parcelas para o ano de 2018 é o seguinte:

  • placas terminadas em 1 e 2: 10/01, 15/02 e 15/03;
  • placas terminadas em 3 e 4: 11/01, 16/02 e 16/03;
  • placas terminadas em 5 e 6: 12/01, 19/02 e 19/03;
  • placas terminadas em 7 e 8: 15/01, 20/02 e 20/03;
  • placas terminadas em 9 e 0: 16/01, 21/02 e 21/03.

Caso o seu caminhão não esteja emplacado em MG, a sugestão é acessar o site do Detran ou da Secretaria de Fazenda do seu estado para saber quando serão os vencimentos.

Como se preparar para pagar esse tributo?

Você já sabe como é calculado o valor do IPVA e que todo mês de janeiro terá a obrigação de pagá-lo. Agora, é preciso se preparar antes do vencimento. Isso é de extrema importância para não passar aperto financeiro no começo do ano, momento em que já há outros gastos — como IPTU e matrículas escolares, por exemplo.

Assim, a sugestão é calcular o valor do IPVA e somá-lo ao DPVAT e à taxa de licenciamento, pois são despesas que você tem todo ano e sempre na mesma época. Com o valor da soma em mãos, divida-o por 12. Assim, você saberá quanto por mês precisa guardar para pagar os tributos do ano seguinte.

Dessa maneira, você não fica no aperto no começo do ano, terá o valor para pagamento à vista e poderá ser beneficiado por descontos que muitos estados concedem para quem escolhe pagar a cota única.

Qual é a importância de manter o IPVA sempre em dia?

Manter o IPVA em dia é uma obrigação de todas as pessoas que são proprietárias de veículos automotores. Porém, para quem ganha a vida com transporte de cargas, pagar o imposto na data correta é essencial.

Caso venha a atrasar o pagamento do IPVA, o caminhoneiro terá diversos problemas. Os mais graves são a apreensão do veículo em uma blitz ou a perda de trabalho, uma vez que as empresas que agregam caminhões e as transportadoras que contratam autônomos são muito exigentes nesse quesito. Para completar, a dívida aumenta, por conta do acréscimo de multa e juros.

Viu como não é difícil calcular o valor do IPVA? Além do mais, você deve ter percebido como é importante saber isso para se programar melhor e manter a sua situação financeira em ordem. Lembre-se de que é essencial seguir as datas dos pagamentos, para não perder oportunidades de trabalho. Sendo assim, calcule o valor do seu imposto, faça a sua reserva para o ano seguinte e pague tudo em dia e sem apertos.

Agora que você aprendeu como é calculado o valor do IPVA e viu como é importante manter esse imposto em dia, o que acha de nos seguir no Facebook? Com certeza, você terá acesso a diversos conteúdos de qualidade!