Sempre existe uma dúvida sobre o que deve ser melhor: comprar um caminhão usado ou um novo. Isso é válido tanto para quem é caminhoneiro e tem interesse em trocar de caminhão quanto aos que desejam entrar agora nessa profissão e precisa adquirir um veículo.

Antes de qualquer coisa, você deve atentar para alguns aspectos: independentemente do veículo, considere os fatores técnicos e o desempenho do caminhão. Lembre-se de que a sua segurança e conforto devem prevalecer e, nos casos das máquinas já usadas, você deve ter atenção em dobro.

No post de hoje, vamos apresentar um panorama sobre o que considerar na hora de efetuar a compra. No caso de um caminhão usado, apresentaremos uma extensa lista sobre o que verificar antes de fechar negócio.

Continue a leitura do post e veja o que deve ser observado na hora de comprar caminhão usado!

Ele é adequado ao que eu preciso?

Uma das coisas mais importantes é saber se a cabine é adequada ao seu tamanho, pois isso afetará diretamente sua saúde. Nem sempre as viagens serão perto de casa, pois há casos em que você precisará atravessar o estado ou o país.

Sendo assim, verifique as condições do banco, se ele é adequado e ajustável, se há regulador de inclinação e altura, se o cinto de segurança trava e destrava facilmente etc.

Caso seja necessário, peça para testar o motor e dar algumas voltas com o caminhão. Isso será bom para você identificar se os pedais estão funcionando bem e também para ter alguma noção do conforto durante uma viagem.

Será que devo considerar comprar um caminhão usado?

Quanto você vai economizar na compra do veículo também deve ser considerado. Veja o quanto de combustível ele consome, porque isso pode ajudar no cálculo do quanto você vai gastar viajando de um lugar “x” para “y” e não ficar na mão no meio da estrada.

Procure avaliar também as condições gerais de funcionamento do caminhão, verificando todo o sistema elétrico e toda a parte mecânica, além de observar se os pneus devem ser trocados. Mesmo que você considere o preço justo, anote todas as informações sobre o veículo e compare com as demais lojas.

A partir desse checklist, você poderá, inclusive, orçar em uma oficina de confiança o quanto deverá gastar em reparos. Se a loja puder fornecer o histórico de revisões do veículo, melhor ainda! Assim, você poderá prever quando determinadas peças e componentes do veículo deverão ser substituídos ou consertados.

Outra dica importante é a seguinte: não tenha vergonha de entrar em um lugar, tirar todas essas dúvidas e não levar o caminhão. Comprar por impulso certamente prejudicará você a curto e longo prazo. Faça a negociação quando estiver preparado, sem se deixar levar pela pressão de venda.

Ir à concessionária sabendo o ano, modelo e marca do veículo é outro aspecto que vai ajudar a estimar um preço que você possa pagar e saber se o que foi cobrado é justo ou não.

Observe também quais acessórios ele tem, porque isso influencia o preço final do caminhão. E, caso o veículo tenha acessórios, verifique se eles funcionam bem.

O ar-condicionado, por exemplo, será um item de conforto muito importante para quem passará longos períodos na estrada. Portanto, é interessante que ele esteja em perfeito funcionamento, pois pagar a mais e não poder usufruir desse adicional, certamente não é bom negócio.

Qual a importância do test-drive?

Sempre que possível, faça um test-drive no caminhão. E, para simular uma situação real do dia a dia, tente carregar o caminhão com um peso considerável, algo próximo à capacidade máxima dos eixos.

Testar o carro vazio e carregado faz toda a diferença. O sistema de freio e suspensão, especificamente, apresentarão comportamentos muito diferentes em uma e outra situação.

No caso de caminhões novos, acreditamos que será bem difícil carregar o veículo, mas, caso seja usado, reforce a necessidade de simular uma situação do dia a dia.

Com o caminhão ligado e já nas ruas, você deve ficar atento aos barulhos emitidos pelo motor. Qualquer anormalidade deve ser registrada para futura averiguação (ao falarmos de como analisar o motor, traremos, em detalhes, o que você deve observar).

Dirigindo o caminhão, veja como ele se comporta em curvas, subidas e descidas. Desenvolva o quanto puder e verifique se o câmbio aciona toda a relação de marchas.

Outro ponto a ser verificado com o caminhão nas ruas é a estabilidade direcional. Em retas, observe se o volante muda de direção ou trepida mais que o normal. Nas curvas, verifique se há dificuldade para “segurar” o veículo.

Um caminhão muito desalinhado poderá desgastar o conjunto de pneus excessivamente, representando um perigo nas estradas, uma vez que, em alta velocidade, passa a ser difícil manter o controle do veículo.

Ao final do teste, confira se a temperatura do veículo subiu rapidamente — isso indica problemas. O contrário também não é legal, isso é, uma situação em que o motor demora a aquecer.

Como analisar o estado geral de conservação do veículo?

Se você fizer uma avaliação, que ela seja feita à luz do dia. Dessa forma, você poderá enxergar bem qualquer dano: amassados, arranhões, manchas, ferrugem, qualidade da tinta etc.

Confira, a seguir, alguns pontos que você deve observar em diferentes momentos de uma avaliação do estado geral de conservação de veículo, caso ele seja usado.

Lataria e cabine

Nesse momento, você poderá realizar o teste do ímã. Você já ouviu falar dessa técnica? Com um ímã em mãos, você encostará em pontos diferentes da lataria. Naquelas partes em que o imã não grudar, significa que houve um reparo realizado com massa plástica ou material equivalente, o que indica que o caminhão já se envolveu em alguma colisão.

Na parte da cabine, especificamente, você poderá conferir o alinhamento das portas e o estado das colunas. Caso o caminhão tenha sido batido, você poderá perceber que as portas não fecham como deveriam, formando frestas, ainda que pequenas. As colunas, por sua vez, poderão apresentar algumas avarias ou estar mal posicionadas.

Pode parecer difícil tirar qualquer conclusão a partir dessas dicas que apresentamos, porém, você deve ter em vista que qualquer conserto na cabine ou na lataria de um caminhão depois de uma colisão, por mais que tenha sido bem-executado, deixa rastros. Por isso, observe tudo com bastante atenção e tome por base o aspecto de um caminhão que nunca tenha se envolvido em acidentes. Assim, será fácil perceber qualquer contraste.

Motor

Depois de verificar como o veículo se comporta em movimento, é hora de abrir o capô e conferir alguns itens muito importantes. Primeiramente, é interessante olhar para o chassi e buscar por marcas de solda, trinca ou qualquer dano. Caso você encontre algo nesse sentido, fuja da compra, pois também é sinal de que o caminhão já se envolveu em uma forte colisão.

Em segundo lugar, é necessário ficar atento aos vazamentos. Verifique se das mangueiras — ou em qualquer parte do cofre do motor — escorre água, óleo ou qualquer outro fluído. Caso você observe algo assim, é importante investigar a origem do vazamento.

Por último, é preciso continuar atento a qualquer barulho, assim como foi feito no momento do test-drive. Assim, você deve manter o caminhão ligado por alguns minutos e ouvir como o motor se comporta.

Existem alguns sons característicos, como os emitidos pelas válvulas e pela biela que indicam problemas. Se possível, leve um mecânico junto para fazer esse tipo de diagnóstico, pois nem todo motorista tem a capacidade de fazê-lo.

Sistema de freios

O sistema de freios é uma parte muito delicada do caminhão e não é preciso nem explicar o porquê, não é mesmo? Um veículo carregado com toneladas de carga precisa responder rapidamente a qualquer pequena frenagem, caso contrário, o desencadeamento de um acidente é quase certo.

Para avaliar esse componente do caminhão, é interessante verificar o histórico de revisões do veículo, caso a loja ou o proprietário possam fornecê-lo. Assim, você poderá conferir se os antigos donos do veículo cuidaram como deveriam desse tipo de manutenção.

Ao mesmo tempo, isso não elimina a necessidade de conferir o comportamento dos freios. Durante o test-drive, você poderá perceber se o veículo emite ou não algum barulho a cada vez em que você pisa no pedal. Além disso, é preciso ficar atento à calibragem da pressão dos freios.

Para tanto, é necessário checar o manômetro, um instrumento localizado no painel do caminhão, responsável por medir variações nos níveis de pressão. No conjunto de frenagem, também é preciso verificar se existe vazamento de ar, além de conferir o bom funcionamento de lonas e pastilhas. Por último, observe se há acúmulo de água no sistema de ar comprimido.

Luzes e faróis

Veja se os faróis estão em perfeitas condições. Apesar de ser difícil verificar durante o dia, vale a pena tentar. Estamos falando de itens baratos, entretanto, na hora de negociar o preço final do veículo, você poderá relatar que o caminhão não está tão conservado como deveria, não é mesmo?

A documentação está em dia?

Faça uma conferência na documentação antes de comprar. Veja como está o comprovante do IPVA, confira o comprovante do seguro (DPVAT), certificado de licenciamento e o certificado de registro. Caso o documento de Inspeção Veicular Ambiental esteja ok, você poderá começar a utilizar o caminhão no mesmo dia.

Além dos itens referentes à documentação, é muito importante fazer uma pesquisa sobre a natureza das cargas já transportadas pelo caminhão. Algumas concessionárias fornecem tais informações. Trata-se de uma maneira de se resguardar quanto ao tipo de utilização que o veículo já teve.

Imagine que caso o veículo tenha sido usado de forma abusiva, sempre transportando um peso excessivo de carga, você deverá gastar mais com manutenção e substituição de peças.

Essa negociação é suspeita?

Todo mundo adora fazer uma pechincha, e quanto mais barata a proposta, mais a nossa mão coça para levar a mercadoria. Porém, um preço baixo demais não é sinônimo de uma boa negociação.

Por mais que você esteja empolgado com aquele preço muito bacana, fique atento! Os preços baixos demais podem esconder muitos problemas no veículo. Como dissemos, pesquise bastante antes de fechar negócio.

Se você já souber qual a sua preferência de marca, ano e modelo, saberá muito bem quais são os preços justos. Dessa maneira, será mais difícil cair na lábia de algum vendedor espertinho.

Quais são os principais tipos de caminhões?

Se chegou até aqui, certamente já aprendeu muito sobre como comprar caminhão usado. No entanto, para tomar as melhores decisões, aumentar os seus conhecimentos sobre o assunto é muito importante. Por isso, vamos elencar alguns dos principais modelos disponíveis no mercado atual. Confira a seguir.

Veículo Urbano de Carga (VUC)

Não importa se você é um caminhoneiro experiente ou apenas um iniciante na profissão: é bem provável que conheça o Veículo Urbano de Carga.

Também conhecido como VUC, é um modelo de menor porte, perfeito para grandes centros e cidades. A capacidade máxima não costuma exceder 3 toneladas, mas isso é compensado pela excelente agilidade na direção.

Caminhão semipesado

O caminhão semipesado, também conhecido popularmente como Toco é um tipo de modelo que tem 2 eixos, dos quais um é dianteiro e outro o traseiro. O comprimento fica em torno de 14 metros e a capacidade de carga é bem maior que a do Veículo Urbano de Carga, ficando em torno de 6 toneladas.

Caminhão pesado

Já o chamado caminhão pesado conta com 2 eixos duplos, um dianteiro e outro traseiro. Também conhecido como Truck, é um modelo interessante para muitas utilizações, conseguindo unir força, espaço e alguma agilidade. O comprimento também fica em torno de 14 metros, mas com um peso bruto maior de 23 toneladas.

Carreta

Não dá para falar em como comprar caminhão usado sem citar as populares carretas. É um modelo extremamente popular nas estradas brasileiras e muito utilizado no transporte de cargas. Existem versões com dois ou três eixos, além do cavalo trucado, que conta com um semirreboque com 3 eixos e consegue carregar um limite de 45 toneladas em peso bruto.

Caminhão combinado

Também não dá para elencar os principais modelos sem citar o caminhão combinado, certamente o mais potente de nossa lista. O Bitrem, chamado popularmente de Treminhão, combina 7 eixos e carrega até 57 toneladas, enquanto o Rodotrem usa 3 articulações e dois semirreboques, com uma capacidade máxima impressionante de 74 toneladas.

Quais as vantagens de comprar um caminhão usado?

Agora, vamos falar um pouco mais sobre as vantagens de comprar um caminhão usado. Para muitos motoristas, a principal delas é o preço mais baixo, que permite economizar bastante na hora da compra, sobretudo se você souber como garimpar boas oportunidades e negociar descontos interessantes.

Além disso, é possível obter condições de pagamento mais flexíveis e taxas de juros menores quando comparado aos modelos totalmente novos. Até mesmo por isso, a tendência é que sua desvalorização, com o passar do tempo, seja menor que em um veículo zero-quilômetro.

Quais as desvantagens de comprar um caminhão usado?

Como em tudo na vida, existem dois lados, o que nos mostra que também devem existir algumas desvantagens de comprar um caminhão usado. A maior delas tende a estar relacionada com o estado de conservação, uma vez que veículos antigos costumam ser mais propensos a falhas mecânicas, elétricas ou uma pane qualquer.

No entanto, é possível minimizar isso com um olhar mais atento e uma avaliação criteriosa antes de fechar negócio. Outro aspecto que pode causar preocupação é quanto à garantia, pois os fabricantes só costumam assegurar seus produtos por 3 a 5 anos, no máximo.

Como reduzir o desgaste de pneus do caminhão?

Faça um investimento na rotina de calibragem

Investir na rotina de calibragem pode ajudá-lo a economizar no gasto de combustível, além de preservar os seus pneus. A irregularidade pode exigir mais da sua máquina. Por isso, ele pode gastar muito mais combustível.

Empurrar a calibragem com a barriga é coisa de quem quer gastar, e se você não quer, é melhor fazer!

Proceda sempre com um rodízio

Troque de pneu sempre que for necessário, porque essa é a melhor forma de diminuir o desgaste. Mas, atenção: adquira sempre a mesma marca para o mesmo eixo, isso contribui para o equilíbrio do veículo.

Pneus de marcas diferentes, ainda que tenham sido fabricados segundo as mesmas especificações técnicas, poderão trazer componentes diferentes. Nesse caso, haverá um desgaste também diferente entre eles, de modo que você poderá rodar com um pneu em bom estado na ponta de um dos eixos, enquanto o outro não apresentará condições ideais.

Siga as recomendações do fabricante

Todos os veículos têm recomendações do fabricante, e você pode ter certeza de que elas não estão ali de enfeite. No manual, existe uma indicação de pneu para o veículo.

Verifique na hora de comprar o caminhão usado se foi seguido o indicado, porque se ele for menor ou maior que a recomendação, pode causar mais desgaste.

Na banda de rodagem de cada pneu existe uma inscrição, formada por números e letras, que corresponde à especificação técnica dele. Na hora de comprar, tenha em mãos esse número. As lojas especializadas costumam solicitá-lo para encontrar o pneu no estoque.

Depois de chegar até o final deste artigo, você certamente está mais tranquilo para comprar um caminhão usado. Para isso, fique atento a todas as dicas aqui repassadas. Se possível, monte um checklist para conferir todo o estado de conservação do veículo que você pretende adquirir.

Não deixe de ficar atento, inclusive, quanto às informações referentes à documentação e comportamento adotado na hora de fazer negócio. Afinal, somente assim será possível comprar um caminhão usado com segurança.

Quer saber mais informações importantes sobre como comprar caminhão usado e se dar bem nessa negociação? Então, curta a nossa página no Facebook para estar sempre por dentro do assunto!