ARLA 32: o que é e para que serve?

7 minutos para ler
Para combater a emissão de poluentes pelos caminhões usados no transporte de cargas, a legislação brasileira exige o uso, desde 2012, de um produto chamado Arla 32 nos veículos. Muitos motoristas ainda se opõem a essa obrigatoriedade, mas você sabe por que ela existe?

Neste texto, reunimos as informações mais importantes sobre o Arla 32 e seu uso, para esclarecer as principais dúvidas dos motoristas e proprietários de caminhão.

Quer entender melhor sobre o assunto? Acompanhe!

O que é e para que serve o Arla 32?

Arla é a sigla para Agente Redutor Líquido Automotivo, uma substância composta por água e ureia utilizada em veículos que têm a tecnologia do Sistema Redutor Catalítico (SCR).

Esses são veículos a óleo diesel, como caminhões e ônibus, nos quais o SCR serve para limitar as emissões de gases tóxicos, conforme a fase P7 do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE).

Desde 2012, esses veículos têm um indicador em seu painel para abastecimento do Arla. Ele avisa quando há emissão de gases tóxicos, pois a substância serve para transformá-los em agentes não nocivos à saúde e ao meio ambiente — como nitrogênio e água.

A sigla é complementada pelo número 32 por causa da composição da ureia, que é de 32,5% para cada 100g de água. A ureia é responsável pela quebra dos óxidos de nitrogênio (NOx), evitando que até 98% deles sejam emitidos para a atmosfera.

Quem é obrigado a usar o Arla 32?

A fase P7 do PROCONVE entrou em vigor em 2012. Uma legislação similar à europeia (Euro V) exigiu modificações nos motores e novos sistemas de pós-tratamento de gases de escapamento e diesel com reduzido teor de enxofre e de NOx.

Assim, desde aquele ano, os veículos a diesel no Brasil (principalmente os grandes veículos de transporte de carga) precisaram se adaptar para reduzir drasticamente as emissões de óxidos de nitrogênio, repensando seus sistemas de exaustão. Hoje, o número de carros, tratores e outros veículos não rodoviários que já estão equipados com o SCR só aumenta.

De acordo com os artigos 68 e 71 do Decreto Federal nº 6.514/2008, quem adulterar ou usar de forma errada o Arla 32 pode ficar sujeito a multa entre R$ 500 e R$ 10.000, dependendo da gravidade da situação. Ainda, se for verificada fraude no uso do sistema SCR, a multa pode ser acrescida de R$ 1.000 a R$ 1.600.

Como ele deve ser usado no caminhão?

O Arla 32 tem um reservatório próprio nos caminhões, que geralmente fica ao lado do tanque de óleo diesel. Ele normalmente vem identificado com tampa azul. É uma solução não inflamável nem explosiva e, portanto, não oferece riscos. Se houver contato com alguma parte do corpo, é importante apenas lavar o local com água corrente.

Cabe salientar que, em nenhuma hipótese, você deve adicionar o Arla 32 ao reservatório do Diesel S10.

O Arla 32 pode ser substituído por água?

O Arla 32 não pode ser substituído ou modificado. A ureia faz parte da reação química que quebra os NOx e evita que eles sejam emitidos no meio ambiente. Primeiramente, ela entra em contato com a água e se transforma em amônia por hidrólise. Em seguida, essa amônia reage com o óxido de nitrogênio, gerando nitrogênio puro e água.

A ureia usada no Arla 32 não é a mesma comprada para uso em jardins, por exemplo. Ela é chamada de ureia técnica e tem alto nível de pureza, por isso consegue fazer a reação adequadamente. Usar qualquer outra ureia aumentará os níveis de emissão de NOx.

Além disso, usar água da torneira ou mesmo mineral pode afetar o tanque, danificando o catalisador e levando, inclusive, à perda total dele.

Quais os prejuízos de não usar o Arla 32?

Vamos também elencar cerca de 5 prejuízos ao não utilizar o Arla 32, como responder por crime ambiental, danificar o veículo, aumentar custos de abastecimento e manutenção do caminhão, prejudicar a própria saúde e poluir o ar.

Não usar o Arla 32 ou adulterá-lo pode gerar multas pesadas para o motorista do caminhão, como já citamos. O valor varia conforme a gravidade do fato, do porte da empresa e do patrimônio bruto para a pessoa física proprietária do caminhão.

Além disso, há vários outros prejuízos em não usar o Arla 32. Confira os principais!

Aumento da poluição do ar

O uso irregular da substância aumenta a emissão de NOx em até cinco vezes. Para ficar de acordo com as exigências do PROCONVE, abasteça seu veículo com diesel S10, que tem menor índice de enxofre.

Prejuízo à saúde do caminhoneiro

A queda da qualidade do ar prejudica a saúde do motorista. Os NOx podem irritar olhos e nariz, causar alergias e, inclusive, levar à morte por doenças respiratórias.

Danos irreversíveis ao veículo

O uso de Arla 32 clandestino causa depósito de impurezas nos componentes do sistema SCR, que podem estragar o motor e causar prejuízos com manutenção. Por isso, compre apenas produtos de fornecedores certificados pelo Inmetro.

Aumento de custos com combustível e manutenção

O uso de produtos clandestinos prejudica o sistema de pós-tratamento de gases, reduzindo a eficiência do motor e aumentando o consumo de combustível. Isso eleva os custos de operação no transporte de cargas. Além disso, o consumo de diesel em excesso degrada a qualidade do ar e prejudica o meio ambiente.

Multa e autuação por crime ambiental

Além das multas já citadas, segundo o Código Brasileiro de Trânsito (CTB), a irregularidade no uso do Arla 32 é uma infração grave que pode resultar em autuação e retenção do veículo. Dependendo do caso, o motorista pode ser enquadrado na Lei de Crimes Ambientais, já que o Ibama e a Polícia Rodoviária Federal fiscalizam o uso do Arla 32.

Como é feita a fiscalização sobre o Arla 32?

Na fiscalização, são analisadas a concentração e a pureza da solução, por meio de um equipamento chamado refratômetro. Uma substância chamada Negro de Eriocromo-T é acrescentada na amostra: caso fique azulada, o Arla 32 está dentro do esperado. Se ficar avermelhada, é sinal de adulteração.

Quanto ao sistema SCR são analisadas:

  • a condição do catalisador;
  • a presença do fusível no circuito do sistema;
  • a presença de fraude na utilização de emuladores ou chips para adulterar o sistema.

É possível obter mais detalhes sobre a fiscalização na Resolução CONTRAN 666 de 2017.

Quais as principais informações sobre o Arla 32?

O Arla 32 tem validade de 12 meses em temperatura mediana (de até 30°C). Acima disso e até 35°C, a validade cai para seis meses. Se passar dessa temperatura, a substância estraga, por isso é preciso evitar sua exposição à luz solar.

O rendimento do Arla 32 normalmente é de 5% do rendimento do caminhão. Ou seja, a cada 20L de diesel consumidos, um litro de Arla 32 também é usado. Pode haver alguma variação em função do tráfego e das condições do veículo.

Na maioria dos caminhões, o tanque do Arla 32 deve ser enchido a cada três ou quatro tanques inteiros de combustível. Um galão da substância custa em média R$ 80 e pode ser comprado em postos de gasolina, distribuidoras ou pela internet, resultando em um preço por litro de R$ 4, aproximadamente. É importante buscar produtos com selo do Inmetro e garantia de qualidade ISO 22241.

Agora, você já sabe qual a importância de usar o Arla 32 e o papel dessa substância para a preservação do meio ambiente e da saúde da sociedade em geral. Mantenha o sistema SCR do seu caminhão abastecido e regulado para evitar problemas e rode tranquilo, reduzindo suas emissões de óxido de nitrogênio!

Essas são informações importantes, concorda? Compartilhe este conteúdo em suas redes sociais e leve esse conhecimento a outras pessoas!

Posts relacionados

Deixe um comentário